Corujas e morcegos

sexta-feira, 29 de abril de 2011

tanto tantos



da sombra

(de nossos tantos corpos sempre um só) deitada
por tanta luz de tardes, noites e manhãs

ao medo

de que a mim tu me afogasses de tanta sede
do quanto tantas vezes em ti eu virei mar

de sangue

que azul verteste a cada mês por tantas luas
com tanto filho teu a que neguei o sol e dei

a-deus

(silenciado em tantos cantos que não cantávamos)
a cantar por si com tanta voz de silêncio

de beijo

nunca entanto tantos até beijar-se um único:
o que deixaste em mim p’ra ser a minha boca


terça-feira, 26 de abril de 2011

Expediente poético



. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Passa das oito da manhã
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta liga toda luz e sai
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Passa uma adolescente às lágrimas
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta estende lenço e guarda-chuva

. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um homem dá bom-dia aos cães
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta pede ao sol uns picolés
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ambulâncias duelam aos gritos
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta cura silêncios quebrados

. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pega ladrão, gritam na esquina
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta prende seu bolso vazio
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pega fogo na peixaria
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta jorra cardumes de mar

. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  Mendigos almoçam no lixo
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta tem fome de não comer
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Goiabadas abraçam queijos
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta lambe os beiços da loucura

. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Duas e pouco e ninguém mais quer
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta quer muito ser três e tanto
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Três é de mais, dois é que é bom
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta vai de quatro a três por dois

. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Avermelha cansada a tarde
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta prossegue azul da manhã
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Desce o pano do palco diurno
. . . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . ... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o poeta aplaude o começo no fim
.

domingo, 24 de abril de 2011

Ressurreição



. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Para Carla Diacov.'os!

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos de galinha
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos de codorna
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos de beija-flor
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos de lagartixa

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de avestruz
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de elefante
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de godzila
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . de pégasus

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . dos mais variados
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . calibres;
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . munição farta,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . incalculável

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . casca ou todo chocolate
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . preto ou branco e, antes,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . da cor do sacrifício, da
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . dor do coelho poedor

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ovos

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . que deles advenha, ao
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . menos, como sempre,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a ressurreição
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . da cloaca leporina,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . dadivosa encarnação do
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . espírito consumista cristão

 .

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Horizonte concreto


Seu Juca Sem Fio

Intangível é
todo horizonte
enquanto eu conto
meus alqueires e alqueires
de tua presença
em mim
sem ti

minhas léguas e léguas
percorridas
ao longo e ao lombo
da sombra do meu cavalo,

o nada de tudo que não serei
enquanto em vão tento deixar
para trás
meus sóis e tuas luas a nascer,
para trás
teus sóis e minhas luas a se pôr,

a cada cedo e a cada tarde menos
para trás
no ainda único horizonte concreto:
o que delimita o mar dos teus braços
e todos os sonhos que eram nossos.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Desaforismos



“Quem tem o que dizer . .
diz. ..
Quem não tem, fala de. .
si.” . .
Tuca Zamagna *. .

1/

O lado positivo de hoje estar
em extinção o cinema de rua
é que preserva-se o ambiente
dos títulos psico-poluentes
que os tradutores inventam.

\2

Somos recicláveis
de várias formas
enquanto vivos.
Mortos, nem tanto.
Se enterrados,
damos bom adubo;
se cremados, poeira
para o mundo espanar
e esquecer – se alguma
ivete não der de levantá-la.

3/

Somos biodesagradáveis,
porém não biodegradáveis.
O que degrada-se da alma
não é bio: não é todo, não é nós.
O que degrada-se da carne,
lixo lançado à cova,
já não somos nós.

\4

Essa tal de auto-estima
nasceu das fezes do tempo
em que não carecia ser-se
tão parvo quanto hoje se é
para viver uma vida fútil.

5/

No futuro, todo
minuto será famoso.
para quinze durantes.

\ô/

* Na epígrafe, o Tuca incorpora, com a naturalidade de um pai-de-santo competente, o espírito (encosto?) que busco materializar nestes desaforismos. Ao submeter a pequena pérola à opinião de uma amiga, ele ouviu o comentário a meu ver consagrador: “Mas Clarice Lispector, Fernando Pessoa e outros grandes falam de si quase o tempo todo!”  E o Tuca, paciente e didático, propôs: “Me aponte um texto de um deles que comece, por exemplo, assim: ‘Eu hoje tive um dia incrível, sabe, gente? Eu acordei, eu escovei os dentes, eu lavei o rosto, eu fiz cocô...’”

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Eu não



este eu aqui que te fala aí
não sou eu, não é nada meu
se finge de mim para escapar de mim
só larga de mim quando adormece em mim
 

domingo, 17 de abril de 2011

Nu, de fato



Despir o luso facto qual fato,
qual vestir uma camisa de força
rota pela supressão dos hifens

Vestir o que não mais acontece
de facto, mas de direito, como
se de esquerdo não fosse a lei
maior que o direito de se usar
um fato que seja somente fato
.e não facto, ou o de se conservar
inta.(c) .to
o c do próprio cu sob o fato
 .

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Espiral

  .
Uma espiral é:


Uma estrutura óssea que, com nojo de penetrar no molusco a que pertence, opta por enrodilhar-se em torno de sua carne gosmenta.

Wilden Barreiro


“Subproduto inteiriço da casca auto-descascada a canivete
por uma laranja egocêntrica.”

Anga Mazle


“Uma linha reta que perdeu-se de si e anda em círculos, cada vez 
mais distante do que foi e mais próxima do que não pode ser.”

Tuca Zamagna


“A alma metálica dos relógios, brinquedos e seres humanos de corda.”

Elza Magna


 “A representação radiográfica do redemoinho de sentimentos 
que mora de favor no coração de toda mulher.”

Teophanio Lambroso


“Um soluço e a vontade de ficar mais um instante...
debaixo dos caracóis dos seus cabelos.”

Roberto Carlos


“Qualquer curva plana gerada por um ponto móvel que gira 
em torno de um ponto fixo, ao mesmo tempo que dele se 
afasta ou se aproxima segundo uma lei determinada.”

Aurélio Buarque de Holanda


“Uma cobra sem cobra enroscada verticalmente em coisa nenhuma.”

Bernardo Soares / Fernando Pessoa

\ô/

Obrigado ao Teophanio, que sugeriu esta postagem coletiva, mandou a sua definição, cobrou a de seus parceiros do blog Desinformação Seletiva e ainda lembrou-me da definição do Roberto Carlos.
Os leitores que quiserem dar a sua definição para espiral (não é difícil, até o Aurélio conseguiu fazer uma que não é ruim de todo!), por favor, façam-no e enviem para mim.
O assunto, vital para o futuro da humanidade, justifica plenamente uma segunda postagem. E até mesmo, se a adesão for expressiva, a publicação de uma “Antologia de Definições para Espiral”.

terça-feira, 12 de abril de 2011

Volte


. . . . . Volte

. . . . . Não precisa mais temer a minha liturgia de picadeiro:
. . . . . o meu desprendimento em virar capacho ou cometas
. . . . . e meus silêncios colorais colhidos no sono da passarada

. . . . . Volte

. . . . . Não mais serei o homem dos sete instrumentos e um receio
. . . . . (que renega os sete e ainda toda possibilidade do impossível)
. . . . . nem mais o malabarista de mal-amares dos malas de bares

. . . . . Volte

. . . . . E entregarei a Deus toda a culpa do menino que prevaricava
. . . . . durante a missa levantando até o sexo a fantasia das santas
. . . . . e ao Diabo a memória dos doces pecados por elas prometidos

. . . . . Volte

. . . . . Pois serei somente a sede de água tépida que só sacia em seus
. . . . . mares bipolares tropicalizados por meus mergulhos de cabeça
. . . . . tronco e membros d’alma em brasa para sempre desde que você

. . . . . Volte

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Estofo

.
Trinca estripa tritura desintegra
este trambolho que me corrói o peito,
meu lastro
de galeão naufragado na montanha,
tão cândido carcinoma no seio
da pedra
quanto brutal espinha no nariz
da flor.
.
Trinca estripa tritura desintegra
toda dor que não me doa bem fundo,
qualquer disposição de me queixar
ao guarda à mãe ao bispo porém nunca
ao Diabo.
.
Trinca estripa tritura desintegra
a tua recompensa, louco Amor:
a provação de carregar por mim
meu oco
estofamento de fome que mofa
passo de passarinho,
samba de sambambaia,
vôo de vozes avozinhas
e a bem lambida nua libido lua
do sol.

domingo, 10 de abril de 2011

Terra


                                                                Seu Juca Sem Fio
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você escolhe a terra 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu planto a semente
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você semeia a noite
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu anoiteço o olhar
 .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você olha a chuva 
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu chuvisco nuvens
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você nubla as luzes
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu ilumino as águas
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você agua o começo
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu recomeço do fim
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você finaliza o nada
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu nado nos sonhos
.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..Você sonha escolhas
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ..eu escolho a terra
.

sábado, 9 de abril de 2011

Sombrio como a luz


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . "A pé e de coração leve,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . lanço-me à estrada aberta,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Saudável, livre, o mundo à minha frente,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O chão à minha frente, vasto e sombrio,
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . levando-me aonde eu bem queira."

. . . . . . . . . . . . . Afoot and light-hearted, I take to the open road,
. . . . . . . . . . . . . Healthy, free, the word before me,
. . . . . . . . . . . . . The long brow path befome me, leading wherever I choose.

\ô/ . . . .

Traduzi esta primeira estrofe do longo poema Song of the Open Road, que integra o mais famoso livro de Walt Whitman, Leaves of Grass. Para me animar a prosseguir no trabalho, mostrei-a ao Teophanio Lambroso, que comentou, com a sutileza costumeira: "Por que diabos você tem de ver escuridão em tudo, seu bacurau pacóvio?"

(Não reparem, tio Teo é assim mesmo. Acha o luar, por exemplo, uma pobreza: "Coisa de quem compra lâmpadas de 40 watts porque não precisa ler à noite. A lua é o sol dos analfabetos.")

.