Corujas e morcegos

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Eu não



este eu aqui que te fala aí
não sou eu, não é nada meu
se finge de mim para escapar de mim
só larga de mim quando adormece em mim
 

11 comentários:

  1. "Aquém do eu, além do outro"

    abraço

    ResponderExcluir
  2. se é assim minha víscera viscosa é igualzim esta ai...

    ResponderExcluir
  3. esta que está aqui é aquela que desconheço.

    ResponderExcluir
  4. no fim só mesmo o vento
    que treme o pavio da vela
    para sacudir as nossas sombras
    ...

    forte abraço,
    poeta atento.

    ResponderExcluir
  5. Cirurgia espiritual? rs
    Diria que sou eu e mais umas 10 que me habitam...

    ResponderExcluir
  6. Rimbaudianamente, o eu é o outro. Um eu-oculto em eu-oblíquo. Fisolosfia poética, poesia filosófica, maravilhosa!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. É o que digo sempre: eu não disse isso!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Esse esqueminha é ótimo para se livrar dos sentimentos de culpa...alivia os fardos, e faz um bem...
    Beijos, para vc e o(s) "outro(s)"!

    ResponderExcluir
  9. Meus eus nos outros, e vice-versa; uns e outros
    naqueles outros...:)

    ResponderExcluir
  10. Suponho que "O PESSOA" pincelou o teu poema enigmático...

    Parabéns!

    ResponderExcluir