Corujas e morcegos

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Rabo de lagartixa


Será um
poema tão denso e coeso
que se dele eu desmembrar
as três estrofes iniciais
cada uma terá novo sentido
– completo, redondo, primal –
 porém, a conservar, latente,
a ligação visceral com o todo.

.E a estrofe derradeira,
solibunda, ecoará como
aforismo órfão, surreal,
ligada ao corpo do poema
só por tara atávica: rabo
de lagartixa a rebolar,
possesso pelo sem sentido
(a)parente? (tran
s)parente?
de uma sobrevida sem pé

nem cabeça nem sexo.
 
\ö/
.
1- Este texto, na verdade, nasceu (ou ressuscitou) de comentário a um intrigante poema de Diogo Liberano que li há séculos (ontem à tarde) no blog 'Plantando Livros e Escrevendo Árvores' (ou algo nessa linha), aqui

2 - Não estou certo de que a imagem acima seja mesmo a de um rabo de lagartixa. Pode ser também o rabo de um girino, de um tamanduá, pangolim, água-viva, ramster, uirapuru, mulher-melancia... Como vou saber, se nunca me atrevi a apalpar glúteos de ortópteros e platelmintos?
.

9 comentários:

  1. definitivamente não é um rabo de lagartixa, mas um rabo solto deambulando por aí. Porreta esses tudos,

    a
    braço

    ResponderExcluir
  2. Poema supimpa! Só fiquei com um pouco de dó da estrofe solibunda...afinal ela um dia fez parte do todo, agora, não passa de um fragmento a se estrebuchar sem rumo...Ô vida cruel das estrofes solibundas desse mundo poético lagatixento!
    Em definitivo o rabo da imagem (ou seria a imagem do rabo?!) não pertence ao animal denominado lagartixa (não seria largatixa?! Ok, NÃO.) já me atrevi a apalpar o referido glúteo do monstrengo e não detectei aquela inusitada e protuberante barbicha.
    Não me agradeça pela valiosa informação, minha vasta cultura inútil está a serviço da coletividade.
    Beijos, muitos!

    ResponderExcluir
  3. Se é um rabo, nao sei, sei que adoro a licao de vida da lagartixa no seu ciclo de vida :-)

    Você foi um perfeito gentleman em seu comentário sobre o ponto G, adorei!

    ResponderExcluir
  4. Não importa que rabo seja, o importante que elucidou o texto!

    Bjsss

    ResponderExcluir
  5. Sem pé, nem cabeça, nem rabo de lagartixa. Adorei sua linguagem poética.

    BeijooO*

    ResponderExcluir
  6. só tu mesmo pra pensar numa comparação de um poema incompleto com um rabo de lagartixa...genial!

    Caro Wil, sobre tua dúvida, acho que podes descartar como sendo da mulher-melancia, pois se fosse dela estaria balançando...

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Poesia é provocação, é paradoxo, entrelinhas entrecruzadas da intensidade de ser maior...E de ultrapassar...Meu abraço...Cá estou contigo.

    ResponderExcluir
  8. que diabo tem no verso pra nos enrabichar tanto?

    beijo de rabo de olho.

    ResponderExcluir
  9. Cedo ou tarde, todo mundo perde a cabeça e o rabo.
    Bjão, Wil e lindo fds

    ResponderExcluir